inspiration: the process of being mentally stimulated to something creative; a sudden brilliant, creative, or timely idea; the divine influence believed to have led to a magnificent something; the drawing in of creative breath.

expiration: give off the design; the act of emitting the final design; termination; death of the creation, beginning of the materialization; make amends or reparation for all the lunatic ideas that never came to be...

A #marca que marca

by

A marca STUDIUM nasce do conceito da mão enquanto SER criador de identidades. Esta premissa permite olhar para a marca como eterna, infinita, mutável e adaptável.

20131205-181119.jpg

A distorção, o desenho ou a moldagem que a mão permite, transforma-a, a ela própria no símbolo que procuramos – a humanização concreta da criação acompanhada.

A #fórmula das fórmulas

by

A máquina das máquinas apresenta-se de uma forma perfeita na sua génese de criação: a simplicidade, tenacidade e crueza com que gera resultados e respostas torna-se em tudo tão normal, natural e igual ao acto associado ao nascimento de um novo ser.

20131210-161710.jpg

A  fórmula simples, científica, real e genérica. A redução suprema do significado na perfeição do óbvio.

The #creation of #STUDIUM

by

The time to show the world is now.

20131203-075341.jpg
In the next few days the main brand and identity will be brought to your eyes, along with new innovative communication media. This will enhance the broadness of the #STUDIUM to the future years.

You will see through my eyes what I am seeing for a long time now.

O #significado e a máquina

by

20131203-154914.jpg

A presença e existência interpretada da máquina MÃO permite uma irredutível e infinita capacidade de gerar objectos – concretos ou apenas conceitos que se materializam através do físico. Esses objectos enquanto elementos de interacção direta com o humano e Ser real vivem de uma imagem, indispensável à sua interpretação e leitura.

A máquina das máquinas e a identidade eterna

by

20131203-154011.jpg

A mão serve de fórmula de identidade, capaz de gerar e criar infinitamente e até infimamente marca. A mão enquanto elemento do corpo, correlaciona-se com a formatação do cérebro que lhe indica e permite acção, atitude, intenção e intrusão sobre algo. A transmissão do raciocínio para uma materialização constantemente diferente ou constantemente igual (grupo) consoante a intenção no nível um (a mão).

A #marca que marca

by

A marca STUDIUM nasce do conceito da mão enquanto SER criador de identidades. Esta premissa permite olhar para a marca como eterna, infinita, mutável e adaptável.

20131205-181119.jpg

A distorção, o desenho ou a moldagem que a mão permite, transforma-a, a ela própria no símbolo que procuramos – a humanização concreta da criação acompanhada.

A #fórmula das fórmulas

by

A máquina das máquinas apresenta-se de uma forma perfeita na sua génese de criação: a simplicidade, tenacidade e crueza com que gera resultados e respostas torna-se em tudo tão normal, natural e igual ao acto associado ao nascimento de um novo ser.

20131210-161710.jpg

A  fórmula simples, científica, real e genérica. A redução suprema do significado na perfeição do óbvio.

The #creation of #STUDIUM

by

The time to show the world is now.

20131203-075341.jpg
In the next few days the main brand and identity will be brought to your eyes, along with new innovative communication media. This will enhance the broadness of the #STUDIUM to the future years.

You will see through my eyes what I am seeing for a long time now.

O #significado e a máquina

by

20131203-154914.jpg

A presença e existência interpretada da máquina MÃO permite uma irredutível e infinita capacidade de gerar objectos – concretos ou apenas conceitos que se materializam através do físico. Esses objectos enquanto elementos de interacção direta com o humano e Ser real vivem de uma imagem, indispensável à sua interpretação e leitura.

A máquina das máquinas e a identidade eterna

by

20131203-154011.jpg

A mão serve de fórmula de identidade, capaz de gerar e criar infinitamente e até infimamente marca. A mão enquanto elemento do corpo, correlaciona-se com a formatação do cérebro que lhe indica e permite acção, atitude, intenção e intrusão sobre algo. A transmissão do raciocínio para uma materialização constantemente diferente ou constantemente igual (grupo) consoante a intenção no nível um (a mão).