goodbye and HELLO www.studium.pt

Banner

The cycle of renewal is complete. The state of grandiosity was achieved and gave birth to a new, evolved, innovative, irresistible and eternal entity called studium ®. After 12 years developing local and international relations as metroquadrado ® we have expanded even more our horizons to a new vision of integration and innovation, made possible by all our clients and partners, in a path of sustained discovery and success. The national and international recognition obliged us to advance to a new era in our 12 year long endeavour: the unification of strong procedural and methodical approaches that can fulfil the needs of not only our loyal customers but also the ever growing range of new ones, thriving to interact with studium ® in every part of the world.

This is our first hello to all.

Find out more at www.studium.pt

*

O ciclo de renovação está completo. O estado de grandiosidade foi alcançado e deu à luz um novo ser, evoluído, inovador, irresistível e eterno chamado studium ®. Depois de 12 anos a desenvolver relações nacionais e internacionais como metroquadrado ® expandimos ainda mais os nossos horizontes para uma nova visão de integração e inovação, tornada possível por todos os nossos clientes e parceiros, num caminho de descoberta e sucesso sustentado. O reconhecimento nacional e internacional obrigou-nos a avançar para uma nova era na nossa já longa jornada de 12 anos: a unificação das fortes abordagens processuais e metodológicas que podem satisfazer as necessidades não só dos nossos fiéis clientes, mas também a torrente de novos que nos contactam, ansiando por interagir com o studium ® em todas as partes do mundo.

Este é o nosso primeiro olá a todos.

Saiba mais em www.studium.pt

#ENTITY

significant and condensed reality of a multiple instance in measurable values with a common curated denominator

 

realidade significante e condensada de uma instância múltipla, em valores mensuráveis, com um curado denominador comum

A #marca que marca

A marca STUDIUM nasce do conceito da mão enquanto SER criador de identidades. Esta premissa permite olhar para a marca como eterna, infinita, mutável e adaptável.

20131205-181119.jpg

A distorção, o desenho ou a moldagem que a mão permite, transforma-a, a ela própria no símbolo que procuramos – a humanização concreta da criação acompanhada.

O STUDIUM representa-se como identidade através de todos os volumes, posições, ossos, tendões, tenções e forças exercidas pela mão. Posições iniciais que originam uma abordagem gráfica evidente, literal e pura que elimina qualquer dúvida sobre o que é a “máquina das máquinas” quais as suas capacidades e características.

Mão – membro do corpo humano, base da identidade – a marca que deixa marcas. A mão capaz de exercer e provocar efeito único, um efeito visível, mais ou menos expressivo e duradouro. Qualquer suporte pode ser sujeito a esta máquina – o papel, o corpo, a matéria.

Conceptualmente o STUDIUM suporta-se de uma racionalidade de transversal ao processo de criação e culmina num resultado visual que assume a mão como símbolo icónico e imagem concreta.

A transposição de actividade e intenção acontece quando ela é capaz de simbolizar algo que é percebido como símbolo universal, interpretado e compreendido da forma racional, lógica e indúbia. Uma percepção que atravessa tempo, espaço e pessoas.

A #fórmula das fórmulas

A máquina das máquinas apresenta-se de uma forma perfeita na sua génese de criação: a simplicidade, tenacidade e crueza com que gera resultados e respostas torna-se em tudo tão normal, natural e igual ao acto associado ao nascimento de um novo ser.

20131210-161710.jpg

A  fórmula simples, científica, real e genérica. A redução suprema do significado na perfeição do óbvio. O literal igual a nós de uma forma individual e global exactamente ao mesmo tempo.

O factor genérico deixa de o ser quando à base se acrescenta significado, sentido, acção e lógica – assim como acontece com o animal e o humano. Perde o irracional, o imaturo e ganha a pessoa, a santidade do membro agora único mas infinitamente adptável. Eterno. A identidade transforma-se finalmente em entidade.

A fórmula das fórmulas é o elo intrinsecamente ligado à máquina das máquinas e materializa a infinidade de identidades passíveis de criação.

The #creation of #STUDIUM

The time to show the world is now.

20131203-075341.jpg
In the next few days the main brand and identity will be brought to your eyes, along with new innovative communication media. This will enhance the broadness of the #STUDIUM to the future years.

You will see through my eyes what I am seeing for a long time now.

O #significado e a máquina

20131203-154914.jpg

A presença e existência interpretada da máquina MÃO permite uma irredutível e infinita capacidade de gerar objectos – concretos ou apenas conceitos que se materializam através do físico. Esses objectos enquanto elementos de interacção direta com o humano e Ser real vivem de uma imagem, indispensável à sua interpretação e leitura. Essas características conferem-lhe conceito, objectivos, representações e significado. Essa noção nasce da necessidade material de concretização da máquina de criação sobre um suporte media – o corpo vivo e mutável, que a cada toque, pressão, molde, peso ou contracção transforma o existente numa matéria humana – vida, carregada de simbologia que pode ser analisada mais ou menos profundamente consoante o seu contexto e a intenção do gesto que lhe foi conferido pela mão.

Graficamente, a actividade manual, a máquina criadora, pode ser representada através de diferentes abordagens desde que isso garanta a noção de “criar”, a ideia de “nascer”, a certeza de que a célula só consegue e só vai gerar um novo corpo, uma só criação. Tornar a marca e a identidade palpável, visível, única.

O significado apresenta-se pela capacidade de representação do nosso objecto original – a mão – seja através de sombra, luz, produzida pelo toque, pressão, pela linha que define volumes ou até pelo espaço vazio existente no suporte – o cheio e o vazio.

Assim é a mão: significa-se e justifica-se a si própria porque desenha aquilo que a própria não sabe ainda existir – a materialização racional de media listada em: projecção, mancha, contorno, trama, textura e todas e quaisquer ideias que possam humanizar a acção.